quinta-feira, 6 de maio de 2010

Como não aceitar migalhas? por Bianca Chetto

Hum. Como não aceitar migalhas? Mais uma vez eu me pego pensando nas horas escuras da minha vida, nos momentos de maior vergonha, naquelas sensações que ainda trabalho para aceitar... Me pego pensando nas migalhas que aceitei, por Deus, as migalhas que eu quis aceitar e só nesse pensar, já sinto o peso de não conseguir me perdoar por completo por todas as migalhas que, não só aceitei, mas catei e desejei. (Suspiros)

Perceba que entendo por ‘migalha’ aquele afago sem carinho, aquele beijo sem amor, aquele sorriso sem sentimento, mas que ainda assim você insiste em querer, em aceitar. Primeiro por não perceber a falta emoção em cada gesto; depois por perceber, mas por ter a esperança de que vai ser diferente; e então por acreditar que é aquilo mesmo que merece. Finalmente, você aceita porque acredita que vale mais a pena catar farelos ao lado de quem ‘se ama’ do que comer croissant sozinho. É o que eu chamo - sem qualquer fundamento técnico ou teórico - de complexo orgulhoso-obsessivo de inferioridade.

‘Orgulhoso’ porque os que sofrem desse mal são incapazes de admitir que aquela pessoa simplesmente, realmente, não está interessada em você. “Obsessivo” porque quanto mais você se convence de que o outro precisa gostar de você, mais você precisa que o outro goste de você e na minha enciclopédia toda relação de dependência é levemente (se não completamente) obsessiva. E finalmente, não há como estar obcecado sem estar se sentindo inferior. (Espero que não esteja me distanciando muito da historinha da águia...) Isso resulta - entre outras coisas - na aceitação de migalhas, pois leva o indivíduo a crer que qualquer coisa que venha do outro é valiosa. Quando penso nisso sempre me vem à cabeça a imagem de um cachorro pidão... (Preciso explicar que essa imagem é negativa?)

Então, sendo o mais direta possível (pois o tempo é curto e eu tenho prova no sábado, ¬¬') : NÃO, jamais, em hipótese alguma, aceite migalhas. É o que eu desejo pra você. Mas é aí que eu volto à pergunta de abertura: “Como não aceitar migalhas?” Siim, porque ninguém aceita migalhas simplesmente porque está afim de migalhas, certo? ERRADO. Você aceita migalhas porque você quer migalhas. Como não aceitar migalhas? Não querendo migalhas. :D Parece simples, e é simples, mas isso não significa que seja fácil. Não querer migalhas é extremamente difícil.

Não querer migalhas é saber seus limites, é reconhecer o que é uma migalha pra você. Acima de todas as coisas, não querer migalhas é se amar. Mas se amar de verdade, seus medos, suas dúvidas, sua mente, seus defeitos, suas estrias e celulites, seu corpo. Aí sim, se amando por inteiro – do dedo do pé ao último fio de cabelo – é que se tem a certeza de que ninguém pode te amar mais do que você se ama e que por isso ninguém merece seu amor mais do que você mesmo. Narcisismo? Não, não é isso. Só penso que tem uma diferença sutil entre amar alguém mais do que a si mesmo e amar alguém tanto quanto a si mesmo.

Peace.

5 comentários:

Mariana Chetto disse...

Desculpe, mas quem vai falar aqui não é Mariana Chetto e sim Tia Mari...
Fala sério minha sobrinha amada querida, doce de coco, não é o máximo?
E ela disse que achava que não podia participar do blog pq não tinha o que dizer... Pode?!
Como escreveu a mãe em outro comentário: ai ai... O que mais uma tia coruja pode dizer... Apenas: Bia sempre aprendo com você
Te amo!

Tia Mari

Mariana Chetto disse...

Estava tão empolgada que engoli algumas vírgulas. Corrigindo:

Desculpe, mas quem vai falar aqui não é Mariana Chetto e sim Tia Mari...
Fala sério, minha sobrinha amada, querida, doce de coco, não é o máximo?
E ela disse que achava que não podia participar do blog pq não tinha o que dizer... Pode?!
Como escreveu a mãe em outro comentário: ai ai... O que mais uma tia coruja pode dizer... Apenas: Bia, sempre aprendo com você
Te amo!

Tia Mari

Edilene Ruth disse...

Adorei o blog e o texto... realmente de migalhas não dá pra se viver... vou lendo os outros posts.
Parabéns meninas!!!
Edilene

follow me on twitter @edileneruth

Bia disse...

Brigada, Edilene!
Bem vinda ao nosso blog!

Giovana disse...

Filha, cada vez que leio um texto seu me surpreendo...em que momento minha pequena, meu bebê, a menininha que fazia birra passou a ser esta pessoa com sabedoria que pouca gente grande tem? Será que eu perdi isto? Acho que posso dizer que não. Eu cantei esta pedra há muito tempo. Sempre soube que vc daria muito a todos nós. Só não esqueça que eu continuo aqui, te esperando para te dar colo, igual quando era pequena, sempre que precisar...
Mamy.