sábado, 26 de março de 2011

O copo. Por Mariana Chetto




O copo. Vidro, fragilidade. Linda metáfora que Bia usou. Quase perfeita se não fosse por um pequeno detalhe: relação se reconstroe e pode sim voltar a ser transparente, cheia de brilho e completa. Não será o mesmo brilho, é verdade,  mas poder ser até mais bonito. E com certeza será bem mais resistente.
Para falar a verdade acredito que é destas quebras e recontruções que se fazem os verdadeiras relacionamentos, aqueles que realmente são duradouros. Porque, gente, é impossível não errar. É impossível estar com alguém e, em algum momento, não decepcionar, magoar, perder a mão. Quebrar o copo. Se ter uma relação exigisse que a gente nunca errasse, fosse por ação ou por omissão, não, definitivamente, não existiria relação.
Até concordo que quando o encanto se quebra não volta. Mas encanto é ilusão. É muito bom e necessário para tudo começar, mas encanto não tem nada a ver com amor. Na verdade o amor começa depois que o encanto se quebra...
Bom, aí fica tudo muito mais difícil. Sim. Sem o encanto é tudo muito mais difícil. Mas quem disse que o amor vedadeiro é fácil? Não é não. É aprendizado para toda vida.
Não estou dizendo com isso que devemos permanecer numa relação seja lá o que tenha acontecido. Não é isso. O que quero dizer é que devemos ter sempre a clareza de que não é o fato que é imperdoável, impossível de ser esquecido ou superado. Somos nós que ainda não estamos prontos para perdoar, esquecer e superar. E isso faz toda a diferença, pois se você crê que o fato é imperdoável não há o que se fazer. Pronto e ponto. Nunca você terá chance de recuperar algo que talvez valesse realmente a pena. Por que nunca fará a seguinte reflexão: Ok. Foi horrível, doloroso e estou magoada, mas será que não posso realmente perdoar? Se valer a pena (é claro!) você poderá tentar superar e quem sabe reconstruir a relação. Se concluir que não consegue esquecer, bem, aí não tem jeito mesmo. Não adianta forçar. Será bem pior... É por um fim e sofrer o que poderia ter sido e que não foi...
Sei que com Bia não foi bem isso. Não havia o que perdoar, superar ou esquecer. Omissão é, sem dúvida, bem mais complicado... Mas de qualquer forma, Bia, seja lá o que for que tenha acontecido, acredito mesmo que sempre se pode recomeçar. Se os dois quiserem - e quanto a isso não tem jeito, os dois tem que querer -  mas se realmente quiserem, estiverem dispostos, podem sim recomeçar. Não. Realmete nunca será o que vocês tinham antes. "Nada do que foi será de novo do jeito que já foi um dia". Mas pode sim ser algo novo e quem sabe muito melhor...

4 comentários:

...Flávio. disse...

Enfim. Concordo contigo. Se soubermos perdoar e passar por cima de certos acontecimentos podemos sim manter uma relação, reconstruí-la, basta que os dois queiram fazer isso! ;)
Um beijo.

Bia disse...

Amei o seu texto. Amei tanto que nao sei dizer qual dos detalhes mexeu mais comigo. E olha que a coisa do copo já nao tem mais nada haver com o que aconteceu... eu estava percebendo as coisas da maneira errada. rsrs Mas esse já é outro texto. Em fim, ainda assim vc disse coisas que eu gostei de ler.
te amo,
beijos

Lara Vic. disse...

É, está certíssima. É como falei no post da Bia. Enfim, alguns copos podem ficar mais bonitos se colados, outros simplesmente viram pó.
Basta que saibamos diferenciar as duas coisas ;)

Mariana Chetto disse...

Bia,
Vc não tem ideia de como me sinto feliz de ainda puder acrescentar algo de bom em sua sia vida...
Também amo vc!